Preços do PLD e Mercado de Longo Prazo

Durante o mês de maio o PLD se manteve dentro do que era esperado, com pequenas alterações semanais, em decorrência da expectativa de afluências para aquele período específico. Nota-se que quanto menor o valor do PLD maior é a expectativa de afluências para determinada semana.

A curva abaixo apresenta o comportamento do PLD até a quinta semana de maio, onde houve uma melhora considerável no cenário com relação ao que foi apresentado nos períodos anteriores, se consolidando no patamar de 128,33 R$/MWh nos submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul.
A Figura 1 abaixo apresenta o preço médio da energia incentivada cotada durante as cinco semanas do mês de maio/19, bem como o PLD verificado nesse período.


Carga

Para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul, houve acréscimo de carga no período de Mai/19, com relação a Mai/18, respectivamente de 3,3% e 4,3%. Já no Nordeste, ocorreu aumento de 4,8% e no Norte de 4,4%.
A Tabela 2 apresenta a carga para o mês de Mai/19 em comparação com a constatada em Mai/18, traçando um comparativo entre o comportamento dessa grandeza do ano de 2018 com o ano de 2019. Nela observa-se a perspectiva de acréscimo de 3,8% do consumo em relação ao ano de 2018.



Bandeira Tarifária

Após o acionamento de bandeira tarifária AMARELA durante o mês de Maio de 2019, a ONS optou por acionar bandeira VERDE no mês de Junho devido a melhora nas condições hidrológicas, não incidindo em custo adicional na tarifa de energia aos consumidores cativos.

O resultado do quociente entre a Previsão de Geração Hidráulica do MRE (GH pmo) e a Previsão de Garantia Física Sazonalizada (GF sazo), resultou em 0,83. Desta forma, com o PLD no intervalo de 42,35 a 513,89 R$/MWh, a bandeira tarifária resultante do novo método de acionamento foi a VERDE.


Hidrologia: Reservatórios e Afluências

A Figura 2 apresenta os níveis consolidados de armazenamento dos reservatórios nacionais até de Maio/19 (53,2% da Earm máxima), bem como a projeção atualizada para o começo do mês (linha preta).
Em comparação com o mesmo mês do ano anterior ocorreu o aumento de 7,1% nos níveis de armazenamento.
Ainda assim, existe a necessidade de maiores acumulados de chuva.


A ENA, Energia Natural Afluente, é a energia gerada a partir da vazão de água de uma determinada bacia ou rio para o reservatório de uma usina hidrelétrica.
Na Figura 3 pode-se analisar a projeção de ENA em % da MLT (Média de Longo Termo) para Mai/19.
Nota-se a expectativa para o submercado Sudeste/Centro-Oeste de realizar valores abaixo da média de longo termo.


Meteorologia

Entre os meses de maio e agosto, a tendência é de redução significativa de precipitação na maior parte do país. Esta redução foi marcante no mês de maio, com relação ao mês de abril, entre sudeste e centro-oeste do país. Entretanto, a precipitação observada e os volumes úteis nas principais bacias foram maiores que no mês de maio do ano anterior.
O volume total de precipitação acumulada, em milímetros, entre 05/Mai e 03/Jun é observado na Figura 4 abaixo.
A Figura 5 indica as anomalias de precipitação para o mesmo período, sendo que as regiões em VERDE indicam ocorrência de chuva acima da média.


Entre as anomalias mais significativas, destacaram-se chuva acima da média para a região sul e chuva abaixo da média entre São Paulo e Mato Grosso do Sul.
A comparação entre Precipitação Média Observada e Média de Longo Termo para algumas das principais bacias do subsistema SE/CO é dada pela tabela abaixo: