Autor: Witzler Energia

Lucas Witzler, fundador do Grupo Witzler, recebe premiação “100 Mais Influentes da Energia” em São Paulo.

Em evento que reuniu a elite da matriz energética brasileira, o empresário Lucas Witzler, Fundador & CEO do Grupo Witzler, recebeu o prêmio “100 Mais Influentes da Energia”, promovido pelo Grupo Mídia e pela Full Energy. A entrega do troféu foi na terça-feira (26) no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo. Considerado o “Oscar do Setor”, o prêmio homenageia executivos que se destacaram nos últimos 12 meses que antecedem a premiação.

Os eleitos são escolhidos por meio de votação aberta e pesquisa de mercado realizada pelo Grupo Mídia. Lucas Witzler foi premiado na categoria Negócios. É a segunda vez que o empresário de Bauru é reconhecido pela busca de soluções no setor energético. No ano passado, recebeu o prêmio na categoria Eficiência Energética.

Lucas Witzler é premiado entre os 100 mais influentes da energia 2022

“Muito honrado em compor, mais uma vez, o grupo formado pelos 100 Mais Influentes da Energia. Isso amplia ainda mais a responsabilidade de atender às expectativas do mercado e do setor, que é um dos mais importantes para o desenvolvimento do nosso país”, afirmou o empresário.

Durante o evento, Lucas reafirmou o compromisso em gerar resultados positivos, por meio de tecnologia e inovações, em prol do desenvolvimento sustentável. “Queremos auxiliar o setor produtivo nacional possibilitando crescimento, geração de empregos e ainda contribuir ativa e fortemente com a descarbonização do planeta. É nossa tarefa que ganha ainda mais peso e propósito aos que, como eu, participam dessa honrosa cerimônia”.

O Grupo Witzler, holding composta pela Witzler Energia e pela Exponencial Comercialização de Energia é líder em migrações para o mercado livre de energia no país e tem diversificado a atuação com soluções para o setor, incluindo Fundos de Investimentos para fomentar projetos de geração de energia 100% limpa e renovável e soluções em Geração Distribuída. O Grupo atua em toda a cadeia energética com a prestação de serviços de inteligência, comercialização, certificação e geração de energia.

Além da sede em Bauru, interior de São Paulo, o Grupo Witzler possui outros dez escritórios regionais e é responsável pela gestão de energia de mais de 1500 unidades consumidoras em 24 estados brasileiros.

Confira a matéria na íntegra pela Full Energy.

Assista a reportagem da Jovem Pan News Bauru sobre a premiação de Lucas Witzler:

O Grupo Witzler recebeu na última quarta-feira, 05 de julho, mais um prêmio de Melhores Empresas GPTW, sendo este na categoria Pequenas Empresas 2022. Confira nossos selos conquistados em ordem cronológica:

O Great Place to Work – GPTW, é uma consultoria global dedicada a apoiar organizações a obter melhores resultados por meio de uma cultura de confiança, alto desempenho e inovação.

“Estamos muito orgulhosos por mais um prêmio conquistado. Essa conquista é reflexo de nossa ampla valorização, respeito e cultura baseada na excelência, inovação, tecnologia e, principalmente, nas pessoas.” Caroline Rabelo, Gestora de Gente e Gestão do Grupo Witzler.

Confira a matéria na íntegra para saber mais sobre.

Quer fazer parte do Grupo Witzler? Acesse o nosso site e faça o seu cadastro em nosso banco de talentos.

Venha para a melhor empresa para se trabalhar!

Nos últimos anos o custo da energia elétrica teve uma evolução desfavorável para a indústria brasileira o que encareceu a cadeia produtiva e por consequência os produtos de consumo dos brasileiros interferindo diretamente no orçamento familiar.

A fim de evidenciar o encarecimento desse fundamental insumo para a produção industrial, um estudo técnico contratado pela Associação dos Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (ABRACE) à Ex Ante Consultoria Econômica, analisou os efeitos desses aumentos no custo com energia – energia elétrica e gás natural – sobre a produção e sobre o investimento, referenciando o contexto brasileiro e o cenário internacional, além de seus reflexos em termos de produção industrial no Brasil e no comércio exterior. Confira.

O custo da energia nas prateleiras

O estudo encomendado pela ABRACE mostrou que os alimentos são os itens que mais sentem o peso do aumento das contas de energia, sendo 33,3% do preço final para carne e leite, 27,2% para o pão, 13,2% para as bebidas e 26,2% para manteiga, queijo e iogurte, o que representa 23,1% do preço final da cesta básica considerando pescados, laticínios e farináceos.

Além dos alimentos, o estudo mostrou produtos e serviços que são impactados a cada reajuste, como é o caso do vestuário, com 12,4% do preço final, e dos produtos de material escolar como o caderno, 35,9%, o lápis, 14,8%, e a borracha, 24,5%.

Os materiais de construção também sofrem com o impacto do aumento contínuo do custo da energia, é o caso das esquadrias, 25,3%, os tubos de PVC, 24,5%, e vidro e cimento, com 24,5% do preço final.

Os bens de consumo duráveis não fogem a regra, a energia corresponde a 14,1% do preço final para o automóvel, 10,6% para eletroeletrônicos, 19,1% para internet e softwares e 17% para telefonia fixa e celular.

O estudo é bastante rico e pode ser acessado integralmente.

Migrando para o Mercado Livre de Energia com a Witzler você garante que a sua empresa participe da transição energética mundial e:

  • – Economize em média 30 a 40% na fatura mensal de energia elétrica;
  • – Acesse energia sustentável, limpa e acessível;
  • – Garanta previsibilidade de custos com os valores das faturas definidas em contratos de energia;
  • – Garante a melhor gestão de energia do mercado, a Gestão Ativa Witzler;
  • Obtenha selos de energia renovável.

Saiba mais sobre o Mercado Livre de Energia e como fazer parte dele. O presente é livre!

Pingback: Gestão ativa de energia elétrica – Grupo Witzler Energia

Pingback: Sustentabilidade das Indústrias – Grupo Witzler Energia

Em todo e qualquer ramo de atividade que envolva produção, uma das principais despesas é a energia elétrica. Nesse sentido, a gestão ativa de energia se torna importante para que as empresas possam ter eficiência energética, ou seja, reduzir os custos do consumo de energia elétrica com a correção de possíveis falhas.

Confira a seguir tudo o que você precisa saber sobre a Gestão Ativa de Energia e como economizar na conta de energia com ela.

O que é Gestão Ativa de Energia Elétrica?

A Gestão Ativa de Energia Elétrica é um conjunto de ações executadas por especialistas que tem como objetivo alcançar a eficiência energética através de mensuração e otimização da demanda consumida.

A Witzler Energia conta com uma equipe de especialistas dedicada à gestão do seu contrato de energia de forma integraltransformando dados em inteligência aplicada às melhores estratégias para garantir que você esteja sempre muitos passos à frente.

Acompanhar preços e janelas de oportunidades para a melhor compra da energia elétrica, executar auditorias nas contas de energia para mapear otimizações, acompanhar e garantir dia a dia a sua máxima economia no Mercado Livre de Energia, prover o cliente de relatórios mensais e sob demanda com resultados e análises de forma transparente e proativa é função do nosso conjunto de analistas e gestores.

Tudo isso somado a visitas regulares em um atendimento totalmente personalizado fazem da Witzler Energia uma das empresas com maior NPS do setor (94,5) e churn próximo a zero.

Como obter os melhores resultados no ACL?

A fim de se obter os melhores resultados no Ambiente de Contratação Livre (ACL) – Mercado Livre de Energia –, em termos de economia, é fundamental que uma boa contratação seja acordada. Entretanto, existem outros fatores que impactam nos custos de energia elétrica, que podem ser otimizados através de uma gestão ativa, é justamente este um dos grandes diferenciais praticados pelo Grupo Witzler.

No campo da contratação, a dinâmica dos preços de mercado é um tanto complexa, podendo ser subdividida em três períodos diferentes: curto, médio e longo prazo.

A precificação da energia nesses períodos segue lógicas distintas e o momento de contratação em cada um deles nem sempre é o mesmo. Sabendo disso iremos explicar abaixo como cada um funciona:

  • Curto Prazo: de um a três anos no futuro, temos o fator hidrológico formando o preço. É o período de maior volatilidade de preços, portanto, é fundamental que haja agilidade no momento de contratar; janelas de oportunidade surgem eventualmente com pouca duração;
  • Médio Prazo: de três a cinco anos, a precificação está atrelada a uma oferta e demanda no mercado, há uma influência do reajuste tarifário do Ambiente de Contratação Regulado (ACR) e os preços são menos voláteis;
  • Longo Prazo: acima de cinco anos no futuro, a precificação é afetada por projetos de expansão da rede, portanto, grandes geradores apresentam oportunidades quando se entende que a rede está em expansão, ou quando esses planejam a execução de projetos.

Para todos os três períodos, a Gestão Ativa faz toda a diferença para que o consumidor entenda o melhor momento, bem como a melhor estratégia de contratação a ser definida.

Outros Fatores

Outro importante fator de impacto direto nos custos de energia elétrica é a adequação tarifária. Uma Tarifa Horo Sazonal (THS) adequada, bem como a demanda contratada ideal, garantem que os custos da fatura de distribuição permaneçam nos valores mínimos.

Manter constante atenção aos bancos de capacitores também evita multas desnecessárias que podem onerar o consumidor.

Pensando nisso, a Witzler Energia realiza análises com frequência, se atendando às demandas contratadas e registradas, bem como às modalidades tarifárias, garantindo que essa questão esteja sempre ajustada ao perfil de consumo de cada consumidor. Para a energia reativa, desenvolvemos um sistema inteligente que avisa com antecedência, antes das faturas de distribuição chegarem, a fim de que os valores sejam antecipados o mais breve possível e providências possam ser tomadas.

Fonte de Aquisição de Energia Elétrica

Mais um fator que pode ser ajustado é a fonte de aquisição de energia. Existem diversas fontes de energia, incentivadas e convencionais, que podem ou não fornecer descontos na utilização do sistema de 50, 80 e 100%. Sendo cada fonte mais adequada a cada perfil de consumidor.

Realizamos periodicamente uma análise de viabilidade de SWAP, troca de fontes, a fim de que cada consumidor esteja adquirindo energia da fonte que mais se adequa ao seu perfil de consumo.

Quando identificamos as oportunidades, propomos a operação que visa incrementar os ganhos do consumidor no ACL.

Como visto, a economia na conta de luz vai muito além de uma boa contratação. Para que os consumidores tenham bons resultados a Witzler Energia oferece a Gestão Ativa, fornecendo um analista que cuida da conta de seus consumidores e garante que todas essas questões estejam sempre ajustadas.

Em suma, uma Gestão Ativa, seja ela no Ambiente Regulado ou no Livre, pode trazer benefícios e reduções que, até então, o empresário não tinha visibilidade e compreensão.

Estudo de Viabilidade Econômica

Witzler Energia, é uma plataforma de soluções energéticas, com a missão de cuidar bem da energia de seus clientes, otimizando e maximizando os resultados, com o intuito de torná-los sempre mais competitivos frente ao mercado. Além de ser especialista quando o assunto é gestão, temos o compromisso de encontrar sempre as melhores soluções para o seu negócio.

A partir do estudo de viabilidade econômica, você saberá o quanto irá economizar.

Solicite agora o seu estudo de viabilidade econômica clicando aqui.

O presente é livre! 

Pingback: Custo com energia chega a 35,9% do preço final de alguns produtos, segundo estudo – Witzler Energia | Mercado Livre de Energia

Pingback: Ultrapassagem de demanda – Grupo Witzler Energia

Universidade Corporativa é um ambiente de estudos que objetiva capacitar desenvolver os colaboradores do Grupo Witzler de forma sistemática e contínua concretizando na prática os valores ligados ao desenvolvimento pessoal, ao respeito, à valorização das pessoas e o protagonismo de cada colaborador a frente de suas carreiras.

Através de aulas e treinamentos semanais, os especialistas do grupo compartilham e geram conhecimento de forma colaborativa contribuindo ainda mais para a manutenção da cultura focada nas pessoas e no protagonismo de cada colaborador quanto à excelência técnicaoperacional comportamental do Grupo.

São centenas de horas de aulas e treinamentos e muito ainda está porvir e, lembre-se, o nosso Banco de Talentos está sempre aberto e, ainda que você não tenha experiência no setor elétrico, nós adoraríamos conhecer você.

Venha para o Grupo Witzler!

O Mercado Livre de Energia é um dos assuntos mais discutidos no Brasil atualmente. Nas empresas e fora delas, as perspectivas geradas pela PL 414/21 sobre a ampliação dessa modalidade de contratação, e a gradual abertura efetiva do mercado a todos os consumidores, inclusive pessoas físicas, direcionou os spots para o tópico. E isso não aconteceu de um dia para o outro.

Com mercados cada vez mais rarefeitos, encontrar formas de reduzir significativamente os custos das operações de forma segura e sustentada e, junto com isso, cumprir metas ambientais cada vez mais agressivas, agregando todos os valores advindos desse alinhamento às melhores práticas ESG (Environmental, Social and Governance) migrar para o Mercado Livre de Energia tem sido mais do que somente uma opção. É  uma necessidade.

Estima-se que, atualmente, 70 mil empresas estão aptas à modalidade, por atenderem aos requisitos mínimos para migração porém, ainda não estão no Mercado Livre. Esse número deve aumentar e muito, considerando mais uma redução nos requisitos de acesso já no ano que vem.

Nesse contexto de intensa transformação positiva, a comercialização da energia se torna central, pois ela é fruto da liberdade e empoderamento trazidos pelo ACL (Ambiente de Contratação Livre). Todavia, como possui algumas particularidades em termos de regulação, geralmente surgem dúvidas. Apresentamos as 10 perguntas com maior incidência em nossos canais aos nossos especialistas e o resultado você confere abaixo.

1. Quando a empresa opta por migrar para o Mercado Livre de Energia, como ela faz a compra da energia, já que não será mais pela distribuidora como no Mercado Cativo?

O Consumidor deverá comprar sua energia de uma comercializadora, ou mesmo geradora de energia. A escolha do fornecedor é livre, assim como a negociação do contrato em relação às suas condições, como preços, prazos, flexibilidades, etc. Para os clientes da Witzler, dentro do serviço de gestão, realizamos cotações no mercado, e buscamos as melhores condições, de acordo com suas necessidades. Com isso, o processo fica extremamente fácil e transparente.

2. Se a empresa contratou um montante de energia maior do que usou de fato, o que acontece?

Os contratos do Mercado Livre de Energia costumam ter flexibilidades de consumo, para tais situações. Caso o consumo seja abaixo da quantidade contratada, mas dentro do limite definido de flexibilidade mínima, paga-se pelo consumido. Caso o consumo seja abaixo da flexibilidade mínima, paga-se por este montante.

Contudo, há a possibilidade de venda desta sobra (quantidade contratada versus a consumida), o que contribui ainda mais para um resultado positivo, em termos de economia de energia. Tudo isso é feito dentro do nosso serviço de gestão de energia.

3. E se a empresa contratou um montante de energia menor, o que acontece?

Neste caso, é necessário comprar mais energia. Como se sabe qual é a quantidade consumida no mês, é possível acessar o mercado de curto prazo nos primeiros dias do mês seguinte. A Witzler dá total apoio aos seus clientes neste processo.

4. Eu, como gestor, ou mesmo proprietário da empresa, posso comprar e vender energia por mim mesmo?

Sim, é possível. Contudo, a comercialização de energia é uma atividade que possui vários riscos, desde qual o momento mais adequado para a compra ou venda, passando pela contraparte mais robusta, que não dará nenhum problema ao cliente. A menos que o gestor tenha um conhecimento profundo do mercado, recomendamos sempre a contratação de um serviço de gestão, como o nosso.

5. Onde se compra e se vende energia?

Atualmente, há uma plataforma para compra e venda, o BBCE (Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia). Contudo, é um ambiente como o de bolsa, dominado pelas empresas de geração e, sobretudo, comercialização. O mais comum, no caso dos consumidores, é a compra através de cotações feitas diretamente com os fornecedores, tanto individuais, via contato telefônico, quando chamadas públicas para leilões, menos comuns. Nós realizamos todo o processo para os clientes, seja por tomada de cotações, seja promovendo leilões. Em ambos os casos, o objetivo é o mesmo: contratar pelo melhor preço, da contraparte mais robusta e confiável, nas melhores condições.

6. É verdade que existe uma espécie de “Bolsa de valores” de energia?

Sim, o BBCE (Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia). Trata-se de uma plataforma similar àquelas que são utilizadas para negociações de ações e ativos de renda variável na B3 (Bolsa de valores).

7. No Mercado Livre de Energia os níveis de reservatórios de água continuam definindo os preços?

Sim, eles têm um peso na precificação de energia, feita através de modelos matemáticos, os quais são processados tanto pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), quanto pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), sendo esta última responsável pelo cálculo do PLD (Preço de Liquidação das Diferenças), indicador no qual o mercado se baseia para a precificação do produto. Contudo, o maior peso nos preços se refere à qualidade dos períodos chuvosos, traduzido em quantidade de energia para tais modelos. Tal tradução dá origem ao conceito de ENA (Energia Natural Afluente). Basicamente, 50% da volatilidade dos preços pode ser explicada pela quantidade de água” (ENA) disponível no sistema. Quanto maior, menor o preço.

8. Quem fiscaliza e regula essas negociações de compra e venda de energia?

As transações são bilaterais, não há, como no mercado financeiro, um órgão, como a CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Mas, em relação aos volumes contratados, todas as negociações devem ser registradas na CCEE, a qual é responsável pela liquidação do mercado, processo no qual as quantidades de contratos são comparadas com as quantidades consumidas. Daí saem as diferenças, a maior ou menor, as quais são liquidadas ao PLD (preço de liquidação das diferenças). Caso a quantidade consumida seja maior que a contratada, para não sofrer penalidade por falta de lastro, o consumidor deve celebrar contratos no mercado de curto prazo, pagando um preço baseado diretamente no PLD.

9. Se eu tenho unidades da empresa em locais diferentes do Brasil, eu compro a energia para todas ou preciso comprar uma a uma?

Depende. Caso os locais diferentes estejam localizados, por exemplo, na região sudeste, ela é parte do Submercado Sudeste. Dentro dele, o PLD é o mesmo. Com isso, é mais simples comprar energia dentro de um único contrato, e indicar as quantidades para cada unidade. Caso as unidades se localizem em Submercados distintos, como Sudeste e Nordeste, é mais comum realizar um contrato para cada região, até mesmo porque pode ser que os fornecedores sejam distintos.

10. Se eu coloquei placas solares na minha empresa, posso vender a energia que sobrar no Mercado Livre de Energia?

Depende de como a usina está enquadrada. Se for como autoprodutora, poderia. Mas, caso seja enquadrada como micro ou minigeração distribuída, a comercialização no Mercado Livre de Energia não é permitida. Nesta situação, pode-se pensar no Sistema de Compensação de Créditos de energia. Porém, antes de realizar um investimento em energia solar, recomendamos fortemente consultar uma consultoria especializada. Nós fazemos toda análise de viabilidade do investimento, e indicamos a forma mais sustentável e rentável para o cliente, seja na geração solar, seja através de outra fonte. Não recomendamos realizar um investimento de alta monta sem uma análise prévia. Entendemos que o desejo de ter energia renovável e participar da mudança de modo ativo é algo nobre e compartilhamos totalmente deste objetivo. Porém para empresas ser “sustentável” envolve, também, ser rentável, pois quanto melhor o resultado da empresa, mais ela pode revertê-lo para o desenvolvimento de energia limpa, riquezas, mais empregos e condições melhores para seus colaboradores e para toda a sociedade.

Conhecimento é energia e, como tal, move tudo!

A Witzler Energia oferece a solução completa para empresas através da prestação de serviços de inteligência, comercialização, geração e soluções em energia. Clique aqui e converse agora com nossos especialistas.

Venha para a Witzler, o presente é livre!

No Mercado Cativo, as empresas além de pagarem cada vez mais caro pela energia consumida, pagam por penalidades na conta de energia elétrica sem perceber. Para evitar que a sua empresa receba essas penalidades, veja neste artigo quais são, como identificar e evitar essas multas que deixam o que já é caro, ainda mais caro sufocando margens e ameaçando a sustentabilidade financeira das organizações.

Existem dois tipos de penalidades: a ultrapassagem de demanda e o excedente de energia reativa. A multa por ultrapassagem de demanda acontece quando a sua empresa demanda mais energia do que o contratado, já a multa por excedente de energia reativa se refere ao excesso da energia reativa que, quando não controlada, pode ser prejudicial ao sistema elétrico. 

Como funciona a multa por ultrapassagem de demanda contratada

A multa por Ultrapassagem de Demanda Contratada é a penalidade dada pelas concessionárias às empresas que utilizam mais energia do que o contratado, indicando a ultrapassagem do uso energia elétrica.

Portanto, caso haja uma medida de demanda utilizada maior do que o contratado, a concessionária cobrará uma multa pelo excesso, em que a tarifa aplicada será 2x a demanda ultrapassada.

Como funciona a multa por excedente de energia reativa

A multa por Excedente de Energia Reativa é a penalidade dada pelas concessionárias às empresas que possuem um fator de potência abaixo do mínimo especificado, que indica o desperdício de energia elétrica.

Portanto, caso o fator de potência esteja abaixo do mínimo, a concessionária aplicará uma multa sobre o valor da conta de energia.

Para te ajudar na visualização dessas multas, trouxemos abaixo a imagem de uma conta de energia e, sim, ela é real! Confira:

Excedente de Energia Reativa

Como evitar as penalidades na conta de energia elétrica

Para sair do risco de ser penalizado, a sua empresa precisa deixar de contratar energia de concessionárias no Mercado Cativo e se tornar livre para negociar seus próprios contratos de energia no Mercado Livre de Energia, garantindo economia de, em média, 30 a 40% por mês, previsibilidade dos custos por anos, melhores pontuações de sustentabilidade e reconhecimento da marca frente a competitividade do mercado.

Segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, atualmente, o segmento no Brasil representa 34,5% de toda a energia elétrica consumida, crescimento exponencial que encerrou 2021 com 5.563 novas Unidades Consumidoras migradas para o Ambiente de Contratação Livre – ACL*.

Nos Estados Unidos, por exemplo, 65% dos consumidores são livres, enquanto em alguns países da Europa o Mercado Cativo nem existe mais. Ou seja, todos os consumidores empresariais e residenciais do exterior negociam energia elétrica livremente e, no Brasil, segundo o Projeto de Lei 414/2021, as regras para permitir que todos os consumidores, inclusive residenciais, possam exercer o direito de escolher o próprio fornecedor de eletricidade já está em pauta com potencial de gerar, até 2035, R$ 210 bilhões de redução nos gastos com energia elétrica, 642 mil empregos e, um desconto médio de 27% na compra de energia**.

Portanto, você pode melhorar os resultados da sua empresa agora migrando para o Mercado Livre de Energia com a Witzler, a empresa que mais migrou Unidades Consumidoras para o ACL***.

Entre em contato conosco e converse com nossos especialistas para tirar todas as suas dúvidas sobre a migração para o Mercado Livre de Energia e migrar agora. O presente é livre!

(*) Fonte: CCEE, janeiro de 2022.

(**) Fonte: Abraceel, março de 2022.

(***) Fonte: CCEE, primeiro trimestre de 2022. Empresa que mais migrou unidades para o ACL.

Em meio aos inúmeros desafios do setor industrial, economizar e se alinhar às melhores práticas de sustentabilidade ambiental são dois dos mais urgentes.

Nesse cenário, o Mercado Livre de Energia se consolida para além de uma alternativa, uma realidade para milhares de indústrias de todo o país pois, de forma desburocratizada e simples, permite que as unidades:

  1. acessem energia renovável;
  2. reduzam as suas contas de energia entre 30% e 40%, em média;
  3. tenham previsibilidade na conta de energia ao longo de todo o período de contrato;

Esses são alguns dos benefícios do Mercado Livre de Energia, o que otimiza as atividades e agrega capacidade competitiva. Tudo isso com significativo valor agregado às suas marcas e à sua imagem institucional.

Record TV Paulista, por ocasião do Dia da Indústria, trouxe à pauta o assunto em matéria exibida em 25/05/2022 que contou com a entrevista do CEO do Grupo Witzler, Lucas Witzler. Confira:

Ao ingressar em uma negociação, seja na compra de um carro, na locação de uma casa ou um financiamento, é importante se certificar de que as regras são bem definidas e fiscalizadas. 

Assim como qualquer negócio bem estabelecido, o Mercado Livre de Energia possui órgãos responsáveis pelas regras da comercialização de energia e pela fiscalização de seus cumprimentos. 

Desta forma, o consumidor que optar por essa modalidade de mercado usufrui de segurança ao celebrar contratos e determinar os seus preços, volumes de contratação e demais detalhes.

Função da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL)

A agência mencionada é uma autarquia vinculada ao Ministério de Minas e Energia, criada para regular o setor elétrico brasileiro e que iniciou suas atividades em dezembro de 1997. Dentre suas atribuições, pode-se mencionar:

– A implementação de políticas e diretrizes do governo federal referentes à exploração da energia elétrica e ao aproveitamento dos potenciais hidráulicos;

– A fiscalização das concessões, permissões e serviços de energia elétrica;

– Regulação da geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica. 

Sendo assim, tanto consumidores cativos quanto consumidores livres utilizam e exploram os serviços de energia elétrica sob a regulamentação da agência mencionada.

O formato cativo

Ao mesmo tempo em que é regulada pela ANEEL, a comercialização de energia elétrica, mesmo que feita no Mercado Livre de Energia, é operacionalizada pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). 

Esta câmara deve seguir os regulamentos estabelecidos pela ANEEL, tais como a Convenção de Comercialização de Energia Elétrica, Regras de Comercialização, Procedimentos de Comercialização, Liquidação das Operações de Compra e Venda, entre outros. 

Respeitando a regulação do setor elétrico, a CCEE é responsável pelo registro de contratos, coleta de dados de consumo e geração de forma remota, contabilização e liquidação, cálculo do Preço da Liquidação das Diferenças (PLD), dentre outras atividades.

O Mercado Livre de Energia

Desta forma, pode-se afirmar com tranquilidade que o consumidor livre de energia, agente do Mercado Livre de Energia, está amparado por um vasto conjunto de normas e legislações que garante o cumprimento dos acordos bilaterais realizados. 

Regulado pela ANEEL e operacionalizado pela CCEE, o Mercado Livre de Energia constitui uma alternativa segura para os consumidores que possuem os requisitos para participarem desse mercado. 

Sendo assim, constata-se que a atratividade do ramo mencionado está atrelada à segurança jurídica e se encontra à disposição dos agentes consumidores.